Vigilância Sanitária alerta para o aumento de casos de Caxumba

O constante aumento de casos de Caxumba no município tem preocupando autoridades da área da Saúde. Desde abril até o final de junho foram registrados 60 casos pela Secretaria Municipal de Saúde.  Há estimativa de que este número seja maior, por causa da desinformação que leva a tratar a Caxumba em casa com remédios caseiros para dor e repouso, sem procurar a orientação de um médico.

De acordo com a enfermeira da Vigilância em Saúde, Michele Bierhals Milech, os primeiros sintomas da Caxumba são febre, dores de cabeça, dores musculares aos mastigar ou engolir alimentos, além de uma sensação de fraqueza. Isto porque uma das principais características da doença é o aumento das glândulas salivares próxima aos ouvidos, provocando inchaço no rosto. Algo que acontece por uma ação do vírus da família Paramyxoviridae, do gênero Paramyxovirus.

A sua transmissão se dá pelas vias aéreas, através da disseminação de gotículas, ou por contato direto com saliva de pessoas infectadas. O surto da doença é comum no inverno e na primavera, e as crianças são mais atingidas. Assim como a maioria das infecções virais, a caxumba é tratada naturalmente pelo organismo, e felizmente, grande parte dos adultos e crianças se recupera sem grandes complicações.

“A melhor maneira de evitar a caxumba é através da vacinação aos 12 e 15 meses de vida. Caso uma pessoa seja afetada, ela não deve comparecer à escola ou no trabalho por nove dias, a partir do início da doença. Além disso, é preciso desinfetar objetos contaminados com secreção do nariz, da boca e da garganta do enfermo”, explica Michele.

A Secretaria Municipal de Saúde alerta à população sobre a importância de procurar às Unidades Básicas de Saúde (UBS), e revisar seu quadro vacinal, e se necessário aplicar a vacina tríplice viral. Para receber a vacina, é necessário agendar um dia da semana, devido ao pequeno números de doses de vacina que o município recebe. Outras informações podem ser obtidas através do telefone (53) 3275-1182, pela manhã.

Gerson Baldassari –  Jornalista – DRT/RS – 11634