Freio de Ouro e Bronze Juvenil Masculino da 38ª Expointer vai para o município

2 (1) 2 (2) (1)

O Centro de Domas Valadão (CDV), localizado no distrito de Passo das Pedras, levou neste ano para Capão do Leão freios de ouro e bronze disputado na categoria Juvenil Masculino. O cavaleiro campeão é Rian de Vasconcelos Valadão , de 15 anos, vencedor do ouro e bronze, montando a égua La Castellana Faca Buena, de 7 anos, de propriedade de Caco Curi (ouro), e o cavalo Maestro da Vila da Rainha, de 3 anos, de propriedade dos irmãos Maicon e Anderson Neves (bronze).

O prefeito, Claudio Vitória, visitou na semana passada o centro de domas da família Valadão. “É uma grande alegria ter em Capão do Leão esse centro de doma administrado pela família Valadão. Este ouro e este bronze significam pra nós uma vitória muito grande, porque se trata de uma competição que envolve toda uma logística da família de verdadeiros campeões”, aponta Vitória.

Para o responsável pelo CDV, Nilo Valadão, a ida dos prêmios para Capão do Leão está no segmento de um trabalho intenso, na busca de novas perspectivas, e nos cursos de aperfeiçoamento com Jango Salgado, uma referência sábia no treinamento de cavalos. “Neste ano nosso foco foi de passar para os meninos tranquilidade e coordenação na hora em que o animal executa os movimentos. Quando treinamos em casa, tudo parece fácil, mas lá, cavaleiro e animal sofrem com o barulho e a pressão do público que quer um bom espetáculo. A sintonia dos dois na hora da prova deve ser perfeita. Não podemos errar. O nível das competições vem aumentando a cada ano, além do mais, é muito sacrifício até chegarmos lá, então tudo tem que ser perfeito”, aponta Valadão. Ainda segundo ele, ao todo são oito cavalos que precisam de muita atenção e cuidados especiais. Nada pode dar errado. Destes oito cavalos, quatro passaram para a fase final.

De acordo com Rian, embora haja uma preparação muito intensa para evitar o nervosismo, quando se entra na arena não tem como não ficar nervoso. “Dentro da arena, parece que estou dentro do maracanã. É muita gente, muito barulho. Na hora, minha concentração tem que ser precisa. Eu e o cavalo precisamos ter tranquilidade para executarmos ás provas o mais perfeito possível”, justifica.

Mas nem tudo é brilho. Para brilhar, muitas vezes é preciso superar muitos obstáculos. Segundo a família Valadão, neste ano a maior barreira enfrentada por eles foi o susto de não conseguirem fazer a inscrição dos animais, pois faltava o Guia de Transporte de Animais (GTA).  Mas graças á ajuda do amigo Carlos André Schimidt o problema foi solucionado.  “Percorremos 500 quilômetros até Encruzilhada do Sul para conseguirmos liberação dos animais em tempo normal. Agradeço a equipe Cabanha do CAS pela ajuda na busca do GTA e nas parcerias durante todo o ano”, aponta Valadão.

Em uma equipe de campeões, a presença e a união da família são indispensáveis. Cátia Valadão, mãe de Rian e Nathan, se esforça ao máximo para ver os meninos fazendo o que eles mais gostam: montar a cavalo e competir. “Minha função no grupo é fazer as inscrições, cuidar da alimentação, das roupas, do banho. Ao todo, somos quase 30 pessoas da família. Eles nos passam segurança. Competimos com cabanhas de alto nível, melhor estruturadas do que nós. Mas, com humildade e muita dedicação, podemos dizer que nossa família é de verdadeiros campeões”, afirma Cátia.

Atualmente, o CDV cuida de 22 animais. No ano passado, Nathan foi o vencedor do Freio de Ouro Juvenil da 37ª Expointer. Neste ano, se classificou em 6º lugar. A família Valadão, a partir do próximo mês, já começa os preparativos para 39ª Expointer. E com certeza, Capão do Leão estará bem representado mais uma vez.